quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Conto de Areia


Dizia lá pras bandas da praia de Areia Branca, que em noites de luar, se ouvia um canto, onde ninguém sabia explicar. Ouvia-se tanto e de tão lindo ficavam a ouvir, encantados, extasiados, até dormir...
Ninguém contava e nem sonhava o que poderia ser só sei que eu ouvia isso desde criança meu avó dizer; Cheguei a ouvir também, era um canto fino de melodia doce e encantadora, se misturava com o barulho das ondas do mar, se misturava ao vento a soprar; Parecia uma voz feminina, outra vez voz de criança, não lembro de verdade, qual era a semelhança...
Assim vivemos nossa infância ali na praia da Areia Branca, correndo pela areia de mesmo nome, pegando peixinhos na lagoa que se formavam na baixa da maré, corríamos a empinar pipas e a catar conchinhas coloridas...
Ontem voltei à praia da Areia Branca, era noite de lua cheia, mas nada ouvi... Seria apenas ouvidos de criança ou a crendice dos velhos anfitriões ? Só sei que nada ouvi apenas o vento soprar, as ondas na praia quebrarem... Foi um entardecer amarelado de nuvens densas a se banhar no horizonte...
Fica pra mim um mistério, Era coisa de verdade ou apenas saudade dos tempos de infância...


Letícia Andrea Pessoa

Observâncias


Observador,
A ti que me observas de tão longe, te digo
Olhes a mim
Com olhos de promessas
Observe-me em tuas retinas
Em teus contos
Poemas e versos
Observe assim, esse meu jeito
Meio tímido
Meio menina
Às vezes libidinoso
Tuas observâncias me instigam
Fazem-me em pensamentos me perder
Perco-me assim
Sem saber o que fazer
Apenas me mostro
Em rosto,
Alma
E coração.


Letícia Andrea Pessoa

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Recado

Toque-me assim, como um piano
Tire de mim notas musicais de prazer
Faça-me tua música
Melodia incontida no meu ser
Faça-me sussurrar
Em frases perfeitas
Saídas da boca que a tua beija
Beije- me assim
Beija-flor... invadindo-me inteira
Colha o pólen
Sugue o néctar
Fecunda-me
Pois assim desabrochada permaneço
Até que chovas em mim
Chuva de prazer, regando-me inteira
Depois adormeço, flor da madrugada
Amanhã desponto enluarada
De perfumes
Cores
Palavras, poemas...
Por hoje me contento com a imagem que vi de ti
Anoitece e ...
Num breve adeus
Saiba moço estarás no sonhos meus...


Leticia Andrea Pessoa
Somos assim separados...
Loucuras
Desejos
Palavras que excitam
Tanto o corpo quanto a mente
Suposições
Premonições
Intenções...
Meus intuitos te perseguem
Teus poemas me intrigam
Quem és de verdade
Que verdade te pertence
Pensamentos voam longe
Atravessam montanhas, vales, bosques... Cachoeiras...
Chegam assim a ti
Como ondas de um som
Que em tão longe ecoa
Um grito da alma
Alma sufocada pelo vida real
Expandida apenas em poesias
Que clama liberdade
Vens me libertar?


Leticia Andrea Pessoa

O lobo e a águia


Prenda-me em teus dentes
Enquanto te seguro em minhas garras
Sinta meu cheiro, tua caça preferida
E eu te sinto por inteiro
Nessa paixão proibida...
Teu faro assim aguçado em meu corpo sente
O perfume do pecado...
Exalando constantemente
Cheiro de flor, cheiro de amor te deixando louco...
Enlouquecida grito e digo que és meu lobo
Sou tua ave,
Tua águia a voar
Em teus desejos negros, perdidos pelo céu de tua boca
Arranco minhas penas
Dispo-me de minhas máscaras
Jogo-me predada em teus braços, apaixonada...
Agora já sou quem querias
Assim insana, em desejos tão profanos
Que minha alma nem terá mais salvação
Pois deixo de apenas ter pensamentos, para realizá-los em teu sonho pagão
Hoje não sou mais águia...
Perdi minhas asas ao te conhecer
Hoje me transformei em loba
Para nos meus sonhos , apenas te satisfazer...


Leticia Andrea Pessoa

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Lua cheia

Hoje venha com todo seu ímpeto de macho
Um lobo sedento por paixão
Devore-me, prenda-me
Aguce-me em teus cheiros
Perfumes ...Desejos
Um instinto animal de amar
Que prende, amarra, mas ama
Na profundeza de teu ser
Grite o amor por mim
Na loucura de tomar meu corpo
Aproxime-se de meu ouvido e diga que me quer
Simples assim...
Simples como se é
A que nos leva complicar
Talvez a própria vida assim o faça
Mas hoje venha despido de corpo e alma
Sem capas ou mantos
Apenas teu querer
Intenso
Bruto
Teu jeito de ser...



Leticia Andrea Pessoa

Desejo de Poeta

Que hoje o meu poetar seja de luz
A minha letra hoje me conduz
A um mundo de sonhos
A um universo de alegria
A alegria de poema
O sorriso de poesia
Juntando letras
Compilando frases
Vou arrecadando dizeres de minha alma
Vou contando assim a minha história
O meu caminhar...
Nos trilhos do alfabeto, letra após letra
Nos caminhos do bem querer...
Que hoje minha poesia te faça voar
Pois eu já ando voando nas asas da imaginação
Em asas de passarinho
Em pétalas de flor...
Nas nuvens que olho no céu, que hoje amanheceu tão azul...
Vivo assim flutuando entre as borboletas
Dançando com abelhas, saboreando o mel
Se existe felicidade, hoje eu digo...
Existe sim...
Felicidade mesmo é ser poeta
Felicidade é transformar letras em letras de poetar...


Leticia Andrea Pessoa

Vulcano

Sinto meu sangue ferver
Cada vez que me tocas
Teus beijos incandescentes
Lavas de um vulcão adormecido
Teu abraço como água-viva
Me queima deixando as marcas de teus dedos
Tuas digitais...
É assim um fogo que me toma por inteira
Deixando apenas as cinzas a me lembrar
Que sou eternamente tua
Uma barcaça a flutuar
No oceano de teu prazer
Beijos
Abraços
Olhares
Toques
Sussurros ao vento...
Resumo de nós dois...

Leticia Andrea Pessoa

Um conquista...

Postagem na Revista Biografia...Ontem dia de alegria , mal consegui dormir de tanta alegria...Ainda estou embevecida com o acontecido ...Agradeçendo a Deus primeiramente , pois sem eel nada somo ...Agradeço a minhas amiga Ivana Schafer...a todos da Revista Bigrafia...E aos demais amados amigos do Facebook Gil Façanha , Mirian Marclay Lemos Melo , Luiciana Saldanha , Renato Ferraz , Fernando Matos , Helena Lins entre tantos , me perdoem por não citar todos , mas sintam-se todos incluidos e homenageados...Estou muito feliz !




http://sociedadedospoetasamigos.blogspot.com/2011/11/leticia-andrea-pessoa-poeta-brasileira.html

domingo, 27 de novembro de 2011

Naquela noite tão linda brilhou
A tal estrela clareou
Os caminhos de Jerusalém
De tão longe já se via
A luz que irradiava dos braços de Maria
Lá em Belém...
Cercados pelos animais
Testemunhas naturais do nascimento do ´´Salvador``
Pois todo seu amor Deus fez na terra nascer
Linda criança, filho de Deus e José...


Noite tão linda
Noite feliz!
Noite de luz
Noite que diz
Que Jesus nasceu...
O amor que se deu


A festa se faz
Na noite de paz
Para o mundo mudar
Alegria pairar
E todos cantar...


Noite tão linda
De céu estrelado
Noite aquecida
Por Deus ao lado


Noite tão linda 
Noite feliz!
Noite de luz
Noite que diz
Que Jesus nasceu
O amor que se deu!


Leticia Andrea Pessoa
Corri entre os bosques da floresta de Sherwood
Agarrei as flechas do príncipe dos ladrões
Subi aos céus mas preferi descer ao luto...
Descer ao mar de trevas
Pois lá estavas
...Sempre ditoso em tuas vestes negras
De asas abertas e olhos vidrados
Numa beleza indescritível , quase sobrenatural
Gosto de transitar assim...
Me banhar nas águas claras e me aquecer sob o sol da linda manhã...
Mas poder ir até ti onde esse sol não entra...
Apenas a luz da lua cheia ilumina teus caminhos
Se a minha felicidade é ser assim
Que seja...serei...


Leticia Andrea Pessoa

Recado a Cupido


Lembras daquela flecha disparada
Rumo ao meu coração?
Sei que lembras criança travessa...
Pequeno Cupido em traquinagens Olímpicas
Pois é...
Aquela flecha me acertou bem no centro...
Meu coração abalado de amores
Agora vive sobressaltado
Assustado, ate descompassado assim
Sofre de dores imensas
Quase pára se atormenta por culpa de ti deus...
Arranquei-a, mas nada adiantou
Sangrei, por dias sem fim
Um coração dilacerado...
Sentimento desafortunado
Guardei tua flecha Cupido
Como lembrança da minha dor
Subirei a Zeus, implorarei teu destrono
Derrubarei as colunas do Olimpo
Mas me devolverás
Novamente um sano coração...

Leticia Andrea Pessoa

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

No meu quintal



No meu quintal tem
Mangueira...
Pitangueira...
Laranjeira...
Bananeira...
Jatobá
Tem pé de Pindaíba
Jabuticaba no pé
Tem da pequena bem docinha
E tem da grande meio amarguinha...
Tem pé de laranja lima
Tem ponkã
E carambola...
Tem cajueiro e tomateiro
Tem pimenta malagueta...
Tem banana pão...
Tem maracujá doce, tem chuchu...
Tem flores também...
Tem helicônia ...tem margarida
Tem Amarílis e orquídea...
Tem pássaros multicores
Tem sái verde
Tem saí azulada
Tem beija-flores
Cujo o ninho fazem no meu terraço
De encontro amarelo tem o sanhaço
Tem o cinza e o azul...
Tem sabiá
Cantando para a majestade ( eu)...
Tem rouxinho tão lindinho
Com filhotes a cuidar
Tem rolinha, juriti e fogo-apagou...
Tem saracura três-potes
Cantando de madrugada
Tem a mãe da lua que canta em noite enluarada
Tem coruja caburé
Tem também a buraqueira
Tem seriema
Tem também gambá...
Tem porco espinho
Que os cachorros tentam matar...
Ah! tem cobra também...
Tem cascavel
Coral
Só nunca vi a urutu,
Mas tem jibóia linda de viver...
Tem tanta coisa!
Tem também tucano...
Tem gavião carcará
Tem a peneira
E o quiri-quiri...
Sem falar nas borboletas
Multicores a voar
Isso aqui não é apenas uma poesia
É a minha vida real
Pois aqui no meu quintal de dois alqueires a sonhar
Vivo no céu, um paraíso natural
Amo minha casa
Amo tudo assim e é bem normal
Tudo aqui vejo bem aqui no meu quintal...


Leticia Andrea Pessoa

Ampulheta



Vivo virando minha ampulheta
Viro constantemente, querendo parar o tempo
Quebrei os relógios
E os espelhos também...
Querendo mudar o rumo do destino
Querendo trocar o sentido da flecha...
Penso em parar o planeta
Ou criar uma máquina do tempo
Para que eu possa finalmente,
Perpetuar o dia do teu abraço em mim...
Permanecer no teu beijo
Ficar com teu cheiro eternamente aqui...
Mas o tempo não se pára
O que passou jamais retorna
A chuva que caiu ontem a tarde não será a mesma de hoje
Nada voltará como já se passou...
Nem mesmo eu virando minha ampulheta
E quebrando os meus relógios
Já o espelho quebrarei sem dó...
Não quero ver meu rosto cortado por uma lágrima caída
Pela saudade sua


Letícia Andrea Pessôa
Passa...

Passa dia
Passa minuto
Passa estrada
Caminho Chuvarada
Passa o tempo
Passa o vento
Tempestade e furacão
Passa flores
Primavera, verão e amores
Passa teu olhar por mim
Fica teu rosto no meu olhar
Passa a vida
Fica a impressão de voar...
Passa passarinho, águia e gavião
Passa nuvem trazendo chuva
Passa tudo...
Só não passa o meu amor
Por ti que vive em meu coração


Letícia Andrea Pessoa
Tatuo o papel com letras de emoção
Como se tatua o corpo insano com imagens exóticas
Marco nas pautas de folhas brancas ou rosadas
Sentimentos loucos...
Ou nem tão loucos...
Mas louco mesmo é colocar em rimas uma paixão
Amores não correspondidos deveriam ficar no esquecimento
Assim também as tristezas e raivas
Mas quem se diz poeta
Faz questão de colocá-las nas linhas traçadas da celulose
Transformando um simples almaço em canções , rimas  e ilusões
Pois a ilusão do poeta é achar que a pessoa amada sempre irá gostar
E que o que ele ler , para si é...


Leticia Andrea Pessoa

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Minha utopia

Quero que a poesia seja na minha vida,
Como parasita que se agarra nas árvores
Vão subindo e tomando conta de todo tronco
Sufocando até que a mata...
Agora assim sobrevivendo colada na casca
Poesia , grude em mim...
Tome-me 
Sufoque-me...
Mate esse ser ínfimo e maldoso
Cheio de defeitos , de raivas contidas
De palavras ásperas muitas vezes ditas
De olhar irônico
De caminhar pesado , pés ancorados ao chão...
Sobreviva , poesia !
Que viva apenas , meu eu poético e tu amada poesia
Faça meus dias mais alegres
Grude em minha alma...
No meu tronco , casca humana...
Seja minha linda parasita á minha janela enfeitar
Com flores  brancas, amarelas , vermelhas , lilases...
Que sempre ao florir em todas as manhãs
Em todas as as tardes
Ao anoitecer...
Exale os perfumes proseados do poetar...




Leticia Andrea Pessoa

Indagações

Eu sempre soube que teus versos não eram para mim...
Nem sei porque achei que eram,
Por um momento pensei que fossem
Sonhei
Alegrei-me
Sorri
Chorei de emoção...
Mas ainda me pergunto : Porque pensei que eram ?
Porque alguém se daria o trabalho de poetar para mim?
Quem iria fazer poesias para minha pessoa?
Seria eu fonte de inspiração para os poemas?
Musa das poesias tuas?
Teus sonhos de poeta?
Mas que pretensão minha , não é mesmo?
Logo eu !
A qual cuja a luz dos olhos não ofuscam nem mesmo vaga-lumes
A qual cuja as letras não fazem uma simples rima sequer...
Logo eu !
Simples mortal , perdida nesse mundo de deuses poetas
E divinas poetisas...
Mas ainda assim , pensei que eram para mim o teu poemar...




Leticia Andrea Pessoa

Encantos e Magias

Encantos são assim
Chegam como a brisa da madrugada
Um aconchego
Um vinho doce , suave , embriagante...
Magia é assim
Energia divina , que impressiona , cativa...
Que olha nos olhos e conquista
Ler-se nas palavras e encanta-se
Abre-se a boca e simplesmente se apaixona
Encantos acontecessem poucas vezes na vida
São raros como eclipse solar
Como cometa reluzente
Como poesia cantada pelo amanhã
Magia é tudo aquilo que transcende o real
Ultrapassa o sobrenatural
E se faz porto seguro nas letras do poetar






Leticia Andrea Pessoa

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Hoje

Um poema aqui
Uma poesia ali...
Assim vou seguindo as letras
Correndo atrás das frases
Que falem apenas de amor
Não quero as que falam de solidão
Não quero as que falam das mazelas do coração
Nada de tristezas hoje
Hoje serei poeta da alegria
Escrever as coisas do dia que passou
Não irei falar das minhas lágrimas
Nem muito menos das minhas mágoas
Por não te ter...
Hoje somente hoje quero alegria
Quero sinos tocando
Borboletas no estomago voando
´`Elas sempre voltam pois o seu jardim sou eu *``
Fogos de artifício no céu...
Quero manga madura
Correr atrás da caravana
E dos cães,
Rolar na grama molhada
Apreciar a manhã orvalhada
E a noite serenar
Hoje quero , quero , quero
Hoje quero o querer
Esquecer o talvez não poder
Porque hoje sou poeta do amanhã...`


Letícia Andrea Pessoa

Teu olhar


Ah! Teu olhar
Que me fascina
Inebria-me
Conduz-me
Feito estrela cadente
Cortando o céu de meus amores
Brilha tanto, chega a ofuscar
São duas esmeraldas
Pedras preciosas a brilhar
São de um verde tão intenso
Hipnotiza e enfeitiça
Como magia desconhecida
Imobiliza-me
Ah! Esse teu olhar
Dois lindos olhos verdes
Como faróis em minha escuridão
Clareia, indica caminhos na imensidão
Ah! Esse teu olhar em que me perco
Por querer e não poder
Por ter de longe
E apenas pode apreciar
Ah! Esse teu olhar


Letícia Andrea Pessoa

Cores da minh´alma


Minh ´alma possui tantas cores
Que nem mesmo o arco Iris pode contar
Nem todas as flores de Holambra podem mostrar
Nem mesmo o céu azul anil desta terra
Numa noite estrelada, iluminada pelo Cruzeiro do Sul
São tantas cores dentro do meu ser
Que podem ser muitas
Mas não tão belas como o mundo ai fora
Minh´alma é errante , viajante entre as paixões
De coração libertino
De olhar doce as vezes frio em emoções
Minh´alma  sem paradeiro
Sem rumo e insatisfação
Apenas faz moradia
Que no fim do dia
Faz pouso na poesia e nas canções


Letícia Andrea Pessoa

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Canção Cuiabana




Em versos poéticos de amor
Frases perfeitas de sonoridade
Igual a notas da viola de cocho
Deliciosas rimas como os sabores cuiabanos
Cuiabana... De meu coração...
Cuiabana... minha emoção...
Linda poeta, proseada enluarada
De versos e canções
Cuiabana o som ao longe corre as veredas
Das águas claras mato-grossenses
Cuiabana...
Meu grito solto ao vento
Aparece-me um alento os carinhos teus...
Tantas aves, flores e cores nos prados de Cuiabá
Cuiabana é a minha canção
Dos trens e fronteiras
Das horas matreiras dos campos gerais...
Das chapadas, céu azul, belos animais...
Cuiabana... De meu coração
Cuiabana... Minha emoção
Bela morena... Formoso peão
Essa canção cuiabana vou a cantar
Estrada sem fim ou se no fim, irei gostar
Se todas as estradas dessem em Cuiabá...



Leticia Andrea Pessoa

domingo, 20 de novembro de 2011

Reflexão


Sonhos existem para serem sonhados
Amores para serem amados
Realidade para serem vividas...
Ninguém foge ao seu destino
Embora o destino possa ser mudado
Paixões arrebatam!
Ou simplesmente nutrem o coração
Amar é o que move o ser humano
É a razão das nossas vidas
Nascemos por amor
Amor entre dois corações
Amor, simplesmente amor...
Então vivamos o amor em toda sua magnitude...




Letícia Andrea Pessoa

sábado, 19 de novembro de 2011

As avessas

Tantas vezes sonhamos com o príncipe encantado
Montado num cavalo branco
De crina comprida
De cavalgar suave
Que venha nos libertar de nossos pesadelos reais
Um príncipe tão belo
Tão encantador
Um conto de fadas perfeito
Tornando-nos rainhas de seu reino
Princesas maravilhosas...
Mas o príncipe está do lado
Nem tão belo
Sem cavalo...
Mas se observarmos bem direitinho
Dentro do ogro há um homem divino
Meio xucro
Às vezes de patadas a tratar
Mas é o príncipe real...



Leticia Andrea Pessoa

Chora viola

Passei a mão na viola
Ponteei uma canção caipira
Que fala de um beija flor, que falava de um amor
Mas qual canção não fala de amor?
Amores perdidos
Amores não correspondidos
Paixões e emoções... decepções
Contos da vida
Traduzidos nas notas da canção...
Saudades, vontades
Emoções...
Toquei na viola, notas assim, melancólicas
Notas tão firme como a vontade de um beijo teu,
Vivo assim visionando, poetando o meu amor...
Tiro do peito rimas e prosas
Frases e contos de tantas paixões
Canto o amores dos outros
O encontro sonhado
O homem apaixonado pela mulher que sonhou
A mulher que ama mais não trai
A que trai por amar...
O filho que a casa deixou
A mão que escreve palavras assim belas
Talvez queira nelas
Contar a sua própria dor
Vou assim... Transferindo para as palavras
O que meu coração jura negar
Espelhando o rosto de amores alheios
Querendo que o meu olhe por um só instante
O que eu teria a dizer...
Chora viola...


Letícia Andrea Pessoa

Um sonho

Numa bela madrugada
De brisa suave e de caminhos tão claros, acordei
Sentei na cama, respirei e fundo e lamentei
Lamentei por ter acordado
Pois contigo sonhava...
De mãos dadas caminhávamos pela areia branca de uma praia
Coqueiros dobravam o vento
O mar assim tão azul
Mas acho que era verde...
O sol se deitava ao longe
Tudo era tão lindo
Em cores fortes e ao mesmo tempo delicadas
Olhava em meu redor e não via ninguém
Era apenas eu e você
Sentada na minha cama permaneci
Embevecida com o meu sonho...
Olhei o relógio na cabeceira da cama e vi
Que era início da madruga e que eu poderia voltar dormir
Olhei tua foto...
Senti o teu perfume em minhas roupas...
Relembrei tua voz....
Fechei meus olhos e novamente deitei,
Quem sabe outra vez o sonho traz você pra mim...





Leticia Andrea Pessoa

Faça de mim...




Faça de meu corpo terra fecunda
Onde nascem todos os teus sonhos
Onde se fazem frutos todas as sementes
Faça de mim.
Tudo o que pensas em compor
Seja uma música, com melodia e letras
Ou apenas versos
Soltos pelo espaço entre o presente e o futuro
Faça de mim...
Faço-me estrela cadente, entrando em teu universo
Incendeio-me ao teu contato breve e tão profundo
Faço-me lua em fases distintas...
Meio crescente meio minguante
Sou lua cheia ao teu encontro tão furtivo
Faça de mim...
Faça tudo aquilo que não sou , ou que nunca penso em ser,
Faça tudo , mas não me conte , apenas faça
Pois se eu souber , jamais serei assim...
Eu te peço , oro , rogo ..faça de mim...


Leticia Andrea Pessoa

A rosa e a mulher



Uma é perfumada
A outra se perfuma e sai
Uma é tão bela que os pássaros atraem
A outra de beleza igual à primeira
Atrai apaixonados, poetas e sonhadores
Uma tem cores esplendorosas, inebriantes
A outra faz as cores se inebriarem, se faz arco-íris
Um apesar de tão bela possui espinhos aguçados e agudos
A outra como a primeira
Tão bela como a primeira
Tão perfumada quanto à primeira
Tão colorida quanto à primeira
Possui espinhos vorazes como a primeira
Espinhos pontiagudos, venenosos
Capazes de ferir mortalmente quem os toca
Crescido em seus momentos de tristeza e solidão
Mas nada a temer...
Pois esses espinhos se tirados com cuidado
Terás a mais bela flor do jardim
Ea mais amada mulher até o fim...



Leticia Andrea Pessoa

Se ...somente se...

Se a noite for de lua cheia
Pego a viola, sento na porteira
Olhando as estrelas
E canto...
Canto a terra, os amores
Canto a vida e as dores
Canto e toco a vida a correr
Corre como um rio
Ou riacho
Deságua no mar
Ou em lago
Tanto faz...
Sopra a brisa, sopra vento
E aqui no meu peito
Tempestade se transforma
Ventos fortes a te buscar...
Levanta as ondas, param na praia
Trazem conchas, trazem estrelas do mar
Tudo vai e quando volta
Sempre algo tem a trazer
Vai à noite, volta dia
Vai canção, vem melodia.
Vai você, levas a mim
Mas volto sem ti
Apenas corpo sem coração...


Leticia Andrea Pessoa

Mistérios

Mistérios esse teu olhar
Profundo
Claro
Escuro em meus desejos
Mistérios apenas mistérios
E eu a desvendá-los
Em promessas cantadas
Palavras enluaradas em noites de verão
Esses mistérios me deixam cada vez mais aguçada
Em minhas percepções
Quero tanto que eu mesma me estranho
Faço versos pensando assim em ti
Mergulho em minhas desventuras
Apenas amo-te, nada mais
Nada importa
Se há distância
Se não há importância ao que me revelo
Nada importa...
Tudo que quero sentir
É o meu coração assim por ti palpitar...



Leticia Andrea Pessoa


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Uma nova paixão



Ando agora com uma nova paixão
Descobrir que isso não é mau...não é não!
Pelo contrário me inspira ainda mais
Embora a loucura de um amor platônico seja algo surreal
Mas vejo como algo natural
Amar alguém que nem pensa que eu existo...
Mas eu explico...
Não é um amor propriamente dito
Daqueles que se faz de tudo para tê-lo
É uma admiração, algo sem explicação
Algo que eu não posso dizer não
Talvez sejam os olhos
Verdes como o mar
Talvez o chapéu de peão
Ou a música que ele diz gostar
Quem sabe um fetiche
Quem sabe um desejo
O homem ideal que vivo a sonhar
Mas claro vou deixar
Que seja apenas uma inspiração



Leticia Andrea Pessoa
O relógio marca a vida constantemente sem cessar
Marcam segundos
Minutos
Horas a passar
Se o tempo parasse...
Ah se o tempo parasse
Queria que parasse no instante em que te vi
Aquele mágico instante
Em que me deparei com teus olhos
Perdendo-me como se perde em um oceano tão profundo
Esses teus olhos verdes...
Ah esses teus olhos verdes...
Como eu dizia,... queria que o tempo parasse nesse instante
Que parada fiquei a te olhar
Vendo-te passar devagar, aos poucos
Fui me curvando...
Dobrando a rua atrás de ti
E assim sumiste ao fim...
Agora fico imaginando aquele momento
Em que por ti me apaixonei...




Leticia Andrea Pessoa

Versos ao ídolo - Ao meu ídolo Elias Matogrosso

Olho-te aqui tão distante
Me perco no teu olhar a todo instante
Amado meu á distancia permaneço a observar
És como estrela em noite enluarada
Que jamais pode se tocada
És canção na viola ponteada
As canções assim evocadas a um amor
Amor onde jamais se fará moradia
Pois não tenho essa ousadia
Em realmente te amar
Apenas te observo em teu mundo
Alguém em que meus pensamentos caminha
Viaja a me faz sonhar...
Sou alguém caro amor,
Que tão distante fica de ti
E que apenas quer sentir
Essa admiração a me inspirar...


Leticia Andrea Pessoa

domingo, 13 de novembro de 2011




Trago esse rosa sobre o peito
Como lembranças de teu perfume
Guardo-a com jeito
Um precioso bem, meu tesouro
Guardo como quem guarda o mais precioso ouro
Disfarçando meu choro
Enxugando as minhas lágrimas
Guardo apenas essa rosa
Como símbolo do teu amor
Sei que esquecido em teu pensamento ficou
Mas a minha lembrança
Eternamente viverá
Em cada rosa que nascer
Em cada roseira que eu ver...


Leticia Andrea Pessoa

Meus desejos




Meus desejos são inconfessáveis
Indecifráveis
Meus desejos são como animais ferozes
Atrás das grades precisam ficar
Como um louco, insano
Trancado precisa estar
Eles possuem garras fatais
Dentes mortais
São monstros horrosos
De feições grotescas
Mostram-se muitas vezes belos
De perfumes inebriosos
Mostram-se sedutores e muito calientes
Mas necessito mantê-los trancafiados
No fundo de minha mente
Nos labirintos de minha alma
Te peço deixe-os em paz ...



Leticia Andrea Pessoa

sábado, 12 de novembro de 2011

Don Juan - Esse poema é em homenagem ao meu querido amigo Don Juan Castelano




Don Juan


Olha-me em meus olhos
Que de tão puros, agora são em perdição
Abraça-me, como sol do deserto
Quente
Sedutor
Transforma-me em teus poemas
Faça-me a tua poesia
Traduza-me para que me entendas
Olhando assim o teu rosto angelical
Jamais se imagina o perigo de seu toque
És armadilha do destino
És sombra em dias de verão
És sonho
Jamais ilusão
Queira eu poder em teu caminho cruzar
Um abraço
Um sorriso
A me conquistar
És Don Juan de letras algozes ou heróicas
És simplesmente
Don Juan Castellano

*************************************************************************

Don Juan


Mírame a los ojos
¿Qué es tan pura, ahora en peligro
Abrázame, como el sol del desierto
caliente
seductor
Me cambio en sus poemas
Hazme tu poesía
Traducir mí para obtener
El aspecto de su rostro angelical
No creo que el peligro de su toque
Se truco del destino
Son la sombra en los días de verano
usted está soñando
nunca ilusión
¿Quieres que te cruce en tu camino en
Un abrazo
Una sonrisa
El me conquistar
Usted está Don Juan letras verdugos o heroico
usted es simplemente
Don Juan Castellano...




Leticia Andrea Pessoa